Você está aqui

Primeiro-ministro de Israel planeja comparecer à posse de Bolsonaro

Abas primárias

Enviado por PerfeitoLouvor em qui, 01/11/2018 - 10:04

Em conversa telefônica, nesta segunda-feira (29), o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que deve comparecer à cerimônia de posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro, em 1° de janeiro de 2019.

Na mesma ocasião, o convidou também para visitar Israel. Bolsonaro aceitou o convite, mas só poderá viajar assim que estiver com a saúde restabelecida. O presidente eleito já tinha essa viagem em seus planos.
Por diversas vezes durante sua campanha, Bolsonaro declarou que Israel tem muito que ensinar para o Brasil. “Veja o que eles não têm e o que são. E veja o que nós temos, e o que não somos”, disse ao se referir às riquezas disponíveis em solo brasileiro e que são pouco aproveitadas.
Parceria entre Brasil e Israel

“Tenho certeza de que sua eleição levará a uma grande amizade entre nossos povos e ao estreitamento dos laços entre o Brasil e Israel”, disse Netanyahu em comunicado oficial.

Quando Bolsonaro ainda era deputado federal, em 2016, visitou Israel junto do pastor Everaldo, que era candidato à presidência na ocasião. Ele foi recebido pelo presidente do Knesset (o Parlamento de Israel), Yuli Edelstein.

Já naquele momento, Bolsonaro afirmou que, se fosse eleito presidente, sua primeira visita oficial seria a Israel.
Novo ciclo

Segundo o embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley, a conversa entre Netanyahu e Bolsonaro foi mais do que amigável. “Foi uma conversa excelente, aberta, entre amigos”, disse.

O embaixador, que visitou Jair Bolsonaro horas depois da vitória nas urnas, na segunda-feira (29), contou que Netanyahu brincou afirmando que seu filho também se chama Jair (o nome do filho mais velho do premiê israelense é Yair͟).͞ “Não há dúvida de que haverá uma mudança (no relacionamento entre Brasil e Israel), disse Shelley.
Mudança de rumos

Durante os anos em que o PT esteve no governo, a relação entre os dois países ficou abalada. O ex-presidente Lula reconheceu a Palestina como país em 2010, tendo enviado 10 milhões de dólares dos cofres públicos para a Autoridade Palestina.

O governo Dilma Rousseff acabou comprometendo mais ainda o relacionamento diplomático entre Brasil e Israel. Em 2016, o governo brasileiro não aceitou as credenciais do candidato ao cargo de embaixador de Israel em Brasília, Dani Dayan.

Fonte: Gospel Prime