Você está aqui

Frei Betto compara Lula a Jesus e diz que Cunha traiu o ex-presidente “por 30 dinheiros”

Abas primárias

Enviado por PerfeitoLouvor em qua, 09/12/2015 - 09:33

O ex-presidente Lula foi comparado ao Messias pelo ex-padre Frei Betto, que é conhecido por seus livros em defesa do comunismo e do regime ditatorial mantido pelos irmãos Castro em Cuba.

Carlos Alberto Libânio Christo, o Frei Betto, é membro da Juventude de Esquerda Católica, entidade política que atua entre fiéis católicos fazendo apologia política às ideologias de esquerda.

Na entrevista concedida ao site Brasil 247, que adota linha editorial também de esquerda, Betto comparou o atual cenário político do país com o cenário retratado por Leonardo Da Vinci no quadro “A Última Ceia”, colocando Lula como Jesus Cristo, cercado por seus apóstolos.

“Lula ainda é o Messias que, na esperança de muitos, poderia salvar o Brasil do retrocesso, e promover a partilha do pão e do vinho, da comida e da bebida. Dilma, a discípula que deveria dar ouvidos ao Mestre. Temer, o apóstolo que aguarda pacientemente a oportunidade de ocupar o lugar do Mestre. Renan, o discípulo que ora fica ao lado do Mestre, ora de Caifás. E Cunha, o Judas, que se vendeu por 30 dinheiros”, disse Betto.

A criatividade irresponsável de Betto ao comparar Lula a Jesus pode ser resultado de anos de militância na vertente extrema dos adeptos da teologia da libertação, movimento com profundas raízes políticas existente há décadas no meio católico.

O ex-padre segue com sua sandice afirmando que, assim como Lula, Jesus e o papa Francisco “são de esquerda”, e justifica o motivo de atribuir ao Messias um status de colega ideológico do ex-presidente observando apenas a posição de seus julgadores: “Morreu como prisioneiro político. Preso, torturado, julgado por dois poderes políticos e condenado à pena de morte dos romanos, a cruz”, disse o escritor comunista, demonstrando ter se desvinculado do sentido primário profetizado para a figura messiânica personalizada em Jesus.

Sobre os evangélicos, Betto afirma que os políticos oriundos dessa tradição religiosa no país são fundamentalistas: “Qualquer participação é legítima, desde que não queira impor ao conjunto da sociedade valores e preceitos que são próprios de um determinado segmento religioso. Isso é fundamentalismo”.

Fonte: Gnotícias